Loading

Module 1: Camada de Rede

Nota de Estudos
Study Reminders
Support
Text Version

IPv6 Endereçamento

Set your study reminders

We will email you at these times to remind you to study.
  • Monday

    -

    7am

    +

    Tuesday

    -

    7am

    +

    Wednesday

    -

    7am

    +

    Thursday

    -

    7am

    +

    Friday

    -

    7am

    +

    Saturday

    -

    7am

    +

    Sunday

    -

    7am

    +

Addressing IPv6
Bem-vindo de volta para o curso em Redes de Computadores e Protocolos da Internet. Então, neste cursoaté agora olhamos para dentro, os detalhes da camada de internet ou da camada de redee olhamos para o esquema de endereçamento, que é usado na rede e nósolhamos para os detalhes do formato de endereçamento IP versão 4; onde a rede usa um endereço 32 bitIPv4 para identificar individualmente cada host.Agora, nesta palestra em particular, mudaremos em direção à versão mais recente do IP,o esquema de endereçamento IP juntamente com o protocolo IP, que é chamado de IP versão 6 ouIPv6. Assim, vamos primeiro analisar as idas curtas que estão aí para o IPv4. E então nósiremos para as escolhas de design de IPv6 e a como o IPv6 atenua problemas diferentes, emque estão associados ao endereçamento IPv4. Então, vamos ter uma jornada no endereçamento IPv6.(Consulte o Tempo do slide: 01:24)Então, primeiro de tudo por que exigimos esta nova versão de IP que é IPv6? Então, se você olharpara a demanda de endereços de internet como existe com o crescimento de diferentes dispositivos na internet; assim, quando a internet foi projetada pela primeira vez ela era destinada a aplicações militares,como nós olhamos nos primeiros dias da história da internet. E então as pessoas gradualmentecomeçaram a usar internet para o normal, então geral dia a dia de uso. Agora com isso se vocêolhar para o crescimento de dispositivos que nos conectamos à internet, então você verá queo número de dispositivos está crescendo exponencialmente dia a dia.Então, mais cedo tivemos os desktops que estão ficando conectados à internet. Agora cada pessoatem 1 ou até mais de 1 dispositivos; muitos dos casos são mais de 1 dispositivoscomo você tem o seu desktop você tem o seu laptop, os celulares, que você pode obterconectado à internet. E dessa forma você exige mais número de endereços IP,porque endereços IP associados a toda interface de rede. E hoje em dia somosmovendo-se em direção à era da internet das coisas, onde você tem vários pequenos dispositivos de sensoresmontados em computadores de placa única que são montados em lugares diferentes em uma sala inteligente deou smart city ou um hospital inteligente. E tudo isso minúsculo ou os pequenos dispositivos elesse conectam à internet.Então, você conecta um sensor à sua geladeira, ao seu ac, assim, à sua máquina de lavar, até mesmoas portas, as luzes, as luzes inteligentes e, em seguida, você pode obter dados através desses sensorese ter um funcionamento automatizado e inteligente desses dispositivos. E todos esses dispositivos sãoagora ficando conectados pela internet. E sempre que você vai fazer um dispositivo para obterconectado pela internet, durante esse tempo dispositivo obviamente, necessitará de um endereço.Porque nosso requisito é que precisamos ter endereço IP exclusivo para todos os dispositivosque estão ficando conectados na internet. E é por isso que se você olhar para a tendência de exigência de endereço IP, em relação a anos, portanto, este gráfico é de janeiro de 94 julho de 2017.Curiosamente é julho de 2017 é o tempo em que o IPv6 foi padronizado.Então, se você olhar para o crescimento do endereço de internet que estão lá, você verá que láé um aumento acentuado deste crescimento. Assim, você tem um crescimento exponencial no requisitode endereços IP. Agora a essa altura, as coisas ficam principalmente saturadas. Então, seja qual for o endereço IPque temos, no espaço de endereços IPv4 com 32 bit endereços e como você sabe, nóstemos discutido que estes 32 bit endereços IP todos embora, teoricamente ele podete suporte 2 para a potência 32 endereços IP diferentes. Mas todo esse endereço não é utilizávelpara conectar uma interface de rede de interface com a internet. Como você tem os endereços IP reservados, você tem os endereços IP especiais, você tem este amplo endereço de IP de elencoe os endereços IP de loop back. Então você tem esse conceito sub netting, em quevocê precisa alocar um conjunto de endereços IP para o endereço de rede e depois, host individualna rede. E por causa de todas essas razões estamos quase ficando estagnados ou estamosquase ficando saturados na exigência dos endereços IP. Então, o espaço de endereço IP,que estão disponíveis para nós ele está ficando saturado. Então, é por isso que você vai ver que, háuma queda no uso do endereço nos últimos anos e essa queda não é porque a demanda temse tornar menos mas sim não temos número suficiente de endereços IP em nossa mão. Por isso,estamos tentando gerenciar com diferentes formas como, usando a tradução de endereço de redeNAT esse tipo de técnicas que discutimos anteriormente.Então, qual a mensagem do jeito leve dessa discussão é que, o endereço IPv4 que nóstemos o número total de endereços são muito limitados e é por isso que precisamos tergrande pool de endereços IP, que podem suportar o uso global ou a utilização global com a ajudade um grande número de endereços para um número enorme de dispositivos que estão ficandoconectados sobre a internet.(Consulte o Tempo do slide: 06:15)Agora, deixe-nos olhar para breves os problemas que estão associados ao endereçamento IPv4;então, por que precisamos de uma nova estrutura IP, portanto, antes de tudo como mencionamos que o espaço de endereçonão é suficiente mesmo com a CIDR. Então, este é o motivo principal, que nósexigimos um espaço de endereço maior mas esse não é o único requisito para nós.Então, além do espaço de endereço, há vários outros problemas que estão associadoscom esquema de endereçamento IPv4. E como você sabe ou como nós discutimos que este esquema de endereçamento IPv4, foi inicialmente projetado para os computadores desktop padrão quesão fixos e que não requer o suporte de mobilidade. Então, durante os primeiros dias depessoas da internet onde não era capaz de imaginar que um dia seus aparelhos que irãomóveis como os celulares que vão se mudar de um lugar para outro lugar e queprecisarão ficar conectados pela internet. E tradicionalmente este IPv4 abordandoesquema ele não suporta mobilidade.Então, há como fazer o suporte de mobilidade em IPv4 com a ajuda de IP móvel, ou seja, a variantedo endereço IPv4 ou o que você pode dizer que ele é como uma correção em cima do endereço IPv4. Mas, no geral, por padrão este esquema de endereçamento IPv4 que não suporta a mobilidadee ao mesmo tempo durante os primeiros dias da internet as pessoas não estavamincomodou muito em autenticação de segurança este tipo de aspecto. Por isso, durante esse tempoa conectividade foi a principal exigência.Então, como já discuti algum tempo atrás que, você deve sempre ler o papel do histórico dedo DARPA Internet Protocol by, David Clark que realmente fala sobre, osrequisitos diferentes que onde lá na mente do pessoal da DARPA, quando a internetfoi projetada pela primeira vez. E durante esse tempo a conectividade foi o máximo de exigênciae um requisito principal e segurança, registrando, auditando todas essas coisasonde os requisitos secundários. E por causa disso tivemos este endereço IPv4, em que a conectividadefoi a grande questão.Então, você precisa identificar com exclusividade cada dispositivo individual na internet mas os outrosobjetivos como a segurança, a auditoria que se tornou o objetivo secundário e que foi adicionado comouma correção em cima do endereço IPv4. E outra coisa era a qualidade do atendimento. Por isso, emIPv4 a qualidade do serviço foi vagamente definida. Vamos analisar os detalhes que, o queé médio por qualidade de serviço posteriormente em algumas palestras.Em breve qualidade de serviço é algo assim, digamos inicialmente quando esse esquema de endereçamento IPfoi projetado durante esse tempo as pessoas só estavam interessadas em transmitir tráfego de dados.Mas hoje em dia, estamos transmitindo o tráfego multimídia pela internet. Então, somostransmitindo dados de voz sobre o tipo VoIP de aplicativos, estamos fazendo streaming de vídeo.Então, curiosamente a maioria do tráfego na internet hoje em dia vem do tráfego de vídeo; do tipo de streaming de vídeo de aplicativos como YouTube, Netflix, esse tipo de aplicativos. E sempre que você estiver fazendo o streaming de vídeo, há diferentes tipos de streaming de vídeo, como este buffer de vídeo buffer, que está lá em caso deYouTube ou Hotstar ou esse tipo de aplicativo. E também há o tipo de vídeo ao vivostreaming como, o que fazemos em caso de Skype ou live video chat. E todo esse tipo de aplicativos multimídia, eles requerem serviços especiais a partir da internet, pois vocêprecisa transferir os dados de forma sensível ao atraso. Assim, se a sua transferência de pacotes leva muitomuito tempo, isso não vai se sustentar na rede.Em IPv4, a qualidade do serviço não era o objetivo principal e por isso a qualidade do serviçofoi vagamente definida em um IPv4. Por isso, precisamos de suporte de serviço de tempo real para os aplicativos do dia moderno. E como já mencionei isso, os aplicativos móveis são em geralingerenciáveis em IPv4 embora, haja certo patch de IP móvel mas que nãoexecutem bem em um aplicativo real e não há suporte de segurança direta em IPv4.Então, novamente que funciona como um patch em cima de IP, usando esta segurança da camada de transporte ou seguratipo de camada de segurança tipo módulo de segurança sob camada de transporte e tipo de segurança IP do móduloem cima de IPv4. Como não há suporte integrado no próprio IPv4 para este tipo de aplicação, mobilidade de segurança QoS, todo o protocolo se tornou complexo demais e tornou-seingerenciável para uma grande internet.(Consulte o Tempo do slide: 11:15)Por causa dessas razões, nós exigimos uma nova estrutura IP e nos movemos gradualmente em direção aeste IPv6. Agora, há um fato interessante em relação ao IPv6. A versão de rascunho do IPv6proposta ela veio em algum momento em dezembro de 1998. Mas então levamos cerca de 10 anos parafazer o protocolo padronizado.Então, o protocolo tornou-se o protocolo IPv6 tornou-se padronizado apenas no ano passado em torno de julho2017. Então, levou cerca de 10 anos para analisar os diferentes aspectos do protocolodiferentes internautas do protocolo e fazê-lo publicar como um protocolo padronizado. Então,os recursos básicos do IPv6 são os seguintes: Primeiro de tudo ele suporta uma classe maior de endereçoespaço comparado com 32 bit endereço em IPv4; temos 128 bit endereços espaço em IPv6.Então, ele usa um mecanismo chamado globalmente exclusivo e hierárquico endereçamento paramecanismo de roteamento eficiente. Em caso de IPv4 vimos que apesar de termos a mentede ter uma estrutura hierárquica da internet global, mas finalmente falhamos porqueda indisponibilidade de espaço de endereço de número suficiente e por isso nos movemos deo endereçamento classico que lá se encontravam inicialmente. O endereçamento classful como você sabeque, ele é um sistema baseado em prefixo. Assim, apenas olhando para os bits iniciais do endereço IPv4,você pode descobrir em qual classe ele pertence e assim você pode descobrir o endereço de redee o endereço do host e então pode fazer a rota com base nisso.Mas porque esse endereçamento classful estava fazendo uma wastage de espaço de endereço e nósexigimos mais número de espaços de endereço, no tempo subsequente. Ou seja, por que nósnos movemos gradualmente do esquema de endereçamento classico para o esquema de endereçamento de classee depois, esse classless inter de roteamento de domínio ou o tipo CIDR de coisas.Com isso, o que aconteceu que, essa arquitetura hierárquica ela foi preservada localmente, elafoi preservada dentro de uma rede e nesta sub-rede. Mas globalmente, essa arquitetura hierárquicaficou quebrada. Também temos esses IPs privados e terras privadas em entre porutilizando este conceito NAT que realmente viola ou que de fato movimenta poucomais longe da estrutura hierárquica global. Mas com endereço IPv6 tentamos construir um esquema de endereçamento deglobalmente exclusivo e hierárquico.O terceiro recurso é a tabela de roteamento otimizado usando prefixos em vez de classes de endereço.Então, aqui você apenas olha para os poucos bits iniciais do espaço de endereçamento e determina que em,qual hierarquia, em qual caminho da hierarquia, o dispositivo pertence e, consequentemente,você roteia o pacote nesse caminho. Dessa forma você pode otimizar a tabela de roteamento, em vez de ter este roteamento baseado em endereçamento classful.Então o recurso de configuração automática de interfaces de rede; isso significa, sempre que vocêfizer um dispositivo ao vivo a interface de rede poderá automaticamente obter um endereço IPv6. Então,tanto faz, nós estávamos você fazendo em IPv4 com a ajuda do protocolo de configuração de host dinâmico do DHCP; a mesma coisa é implementada em IPv6 com a ajuda da configuração automática. Eque se tornou uma parte do IPv6, em vez de ter um protocolo diferente como um DHCP queestava lá em IPv6.Então o suporte para encapsulamento; discutiremos este encapsulamento em detalhes. O suporte de classe de serviçopara gerenciar a qualidade das classes de serviço. Em seguida, este construído emmecanismo de autenticação e criptografia para suportar a segurança e uma compatibilidade debackward com IPv4 so, que você pode migrar gradualmente do sistema baseado em IPv4 parasistemas baseados em IPv6.(Consulte o Tempo do slide: 15:19)Então, vamos olhar para o formato de cabeçalho de IPv6. Assim, em um caso de IPv6, esta é a estrutura do cabeçalho, no cabeçalho utilizamos 128 bit endereço de origem e 128 bit endereço de destino; a origeme o campo de endereço de destino. Junto com isso você tem esse campo de classe de tráfegopor suportar qualidade de serviço. Esta é a versão de protocolo, depois o nível de fluxo,nivelando todo fluxo baseado em suas classes de QoS, o comprimento de carga útil. O próximo cabeçalho e o limite de hop; assim, o cabeçalho seguinte é que no IPv6 você pode ter vários cabeçalhos opcionais, nóschegaremos a esse ponto. E os limites de hop denotam que, quantas hop o pacote deveatravessar porque, antes de descartar o pacote a partir da internet.(Consulte o Slide Time: 16:17)Agora, esta é a estrutura de cabeçalho obrigatória do IPv6. Todo pacote IPv6 deve ter um cabeçalho obrigatórioe junto com um cabeçalho obrigatório, ele pode ter vários cabeçalhos de extensão. Então, esses cabeçalhos de extensão são usados para fins especiais. E com este cabeçalho obrigatório, portanto, neste diagrama, esta parte é o cabeçalho obrigatório. Nestecabeçalho obrigatório você tem um ponteiro para o próximo cabeçalho. Então, este ponteiro realmente apontapara o próximo cabeçalho, no pacote IP total.Então, você tem vários, pode ter vários tais cabeçalho de extensão. Um cabeçalho de extensãopode ser você pode colocar o hop by hop opção que sempre que o pacote traverso em cadahop, como o pacote será tratado lá. Em seguida, é possível ter uma informação de roteamentoincorporada dentro do próprio cabeçalho. Assim, se você está aplicando algo comoroteamento de origem, em que a origem do pacote ele descobrirá que em qual rota o pacoteprecisa ser atravessado para chegar no destino, a fonte pode colocar toda a informação de roteamentono pacote de cabeçalho IP. Então, essa é a informação de roteamento opcionalcabeçalho.Então a identificação do fragmento; se o seu pacote IPv6 ficar fragmentado em várias peças, então essas informações de fragmento podem conter no cabeçalho do fragmento. Em seguida, seus dados de autenticaçãocomo eu mencionei que a autenticação ou a segurança se tornaram uma parte doinconstruída do IPv6. Assim, as informações de autenticação podem ser colocadas dentro do cabeçalhoopcional. E então você tem esse cabeçalho TCP e os dados correspondentes.Então, dessa forma, você pode ter esse cabeçalho de extensão múltiplo juntamente com o cabeçalhoobrigatório que lhe dará informações adicionais sobre isso, como o pacote serátratado pelo protocolo IP.
IPv6 Addressing-Parte 2
OK. Então, este é o formato para o endereçamento IPv6. Assim, como mencionamos isso, utilizamosum endereço IP de 128 bit. Ele é representado em 8 números hexadecimais. Assim, todo número hexadecimalé como FE80 então 0000. Portanto, 16 bit binário que é convertido para o número hexadecimalcorrespondente e eles são separados por um cólon. Então, dessa forma, representamos este endereço128 bit em IPv6.Agora esse endereço inteiro reduzimos ainda mais o total de espaços, que é necessário para armazenar um endereçoIPv6. Então, primeiro de tudo se o seu número hexadecimal tem todos os 0 ’ s, então você pode substituirpor um único 0. Então, se, você tem um único 0 que significa, você tem 4 consecutivos 0, portanto, todos osos bits nessa parte são 0 ’ s. Em seguida, se você tiver poucos consecutivos 0 ’ s que consecutivos 0 ’ s quepode ser substituído por um duplo colon. Então, aqui esses números de consecutivos 0 ’ s sãosubstituídos por um duplo cólon. Mas você precisa lembrar que, esse recurso de dois colons duplo podeser usado apenas uma vez, pois se você tiver dois colons duplos diferentes; um diga aqui eoutro dois colon duplo se eu colocar aqui, então será difícil você descobrir que comomuitos 0 ’ s estão aqui e quantos 0 ’ s estão aqui. Então, é por isso que não podemos usá-lo mais do queuma vez, esta sintaxe de colons duplos podemos usar no máximo um. Então, que você pode descobrir quebem aqui este ele é, FE80 então é 1. Então, isso significa, são 0001, então 8 0023E7 5FDB. Então,você tem 8888 e 8 1 2 3 4 5 5 em 8, que muitos bits estão lá e os bits restantes são 0,que serão colocados aqui no lugar desses dois colons duplos. Assim, dessa forma você podeter uma representação mais otimizada do endereço inteiro em IPv6.(Consulte o Tempo do slide: 20:19)Agora, todo este espaço de endereço ele é dividido em vários grupos com base no prefixo. Então,esse prefixo realmente determina isso, quantos endereços cairão em que grupo. Então, sevocê olhar para os valores de prefixo; isso significa, se os primeiros 8 bits forem 0 ’ s podemos representá-lo como0 então colon colon slash 8. Então, essa barra 8 representa o prefixo e que estava lá emo conceito CIDR também, o conceito de prefixo que o primeiro bits número de bits queserá usado para identificar o tipo do endereço.Então, se este primeiro 8 bits são 0 ’ s aqueles que esta classe reservada de endereço então se este bit é um primeiro 8bit é 200; isso significa, 0000 seguido por 0010. Então, aqui o seu prefixo é 7 bit primeiro 7 bit. Por isso,se você olhar para o primeiro sete bit, se o último bit for 1, ele é reservado para o NSAP. Se o bit for10 na faixa de endereço, podemos escretá-lo como 400; 400 porque, este é 0 então, isto torna-se4. Se for 400 então, este com este slash 7 prefixo ele é reservado para protocolo IPX.Então, se os primeiros 3 bits forem 001; isso significa, este 001 significa, o endereço é 0010 0000então todos os 0 ’ s, essa é a primeira parte hex. Então, a primeira parte hex esta se torna 2 e então todos os 4 ’ ssão 0 ’ s 2000 e seu prefixo é slash 3. Se for esse o caso então, é o endereço de unicast global agregável, que é atribuído a host individual na rede. E que sejao 1/8th de todo o espaço de endereço IPv6 que temos. Então, dessa forma temos um número suficiente de endereçosque podem ser utilizados para endereçamento a cada interface de uma rede.(Consulte o Tempo do slide: 22:37)Então você tem outras classes como, o unicast local do link, em que os primeiros bits são1111111010 com prefixo 10 bit. Então site local unicast novamente com prefixo 10 bit oendereço multicast com o prefixo 8 bit bits com o prefixo 8 bit bits onde todos os primeiros 8 bits são 1.Então, dessa forma temos este múltiplo grupo de endereços IP, que estão lá em IPv6 e a parteinteressante é este endereço unicast global que são usados no endereçamento de toda interfacede dispositivos individuais.(Consulte o Tempo do slide: 23:18)Agora o formato de endereço unicast global em IPv6 este endereço inteiro está dividido em 3grupos. Você tem um prefixo de roteamento global que é de n bits e então você tem um id de sub-redede m bits e finalmente, 128 menos m menos m bits que são a interface correspondenteid.Agora, este prefixo de roteamento global é um valor que é atribuído a um site para um cluster desub-redes dos links. O prefixo de roteamento global ele foi projetado de tal forma que toda essa redeglobalmente que pode ser estruturada hierarquicamente. Assim, as agências de roteamento eles projetam essesprefixo de roteamento global tal que você pode ter toda essa internet, você pode estruturar a internet inteira de forma hierárquica e, então, dentro desse nível individual você pode ter o ID de subnet, seguido pelo ID da internet ID e seu prefixo da maneira como temos observado ele emCIDR, da mesma forma como o prefixo é usado para denotar o prefixo de roteamento globalmente mais o id de sub-rede.(Consulte o Tempo do slide: 24:27)Bom, agora vamos olhar em poucos recursos no IPv6; olhamos em um pequeno detalhe. O primeiro recursoque discutiremos é a descoberta do vizinho. Então, a descoberta do vizinho em IPv6 quefoi você pode dizer que é uma substituição de ARP em IPv4. Assim, ele possibilita um nó para identificar ooutro host e roteadores em seus links. O nódulo que eles precisam saber de pelo menos 1 roteador, portanto,que ele sabe, onde encaminhá-lo o pacote. Então, semelhante ao protocolo ARP em IPv4,sempre que você quiser enviar um pacote para outro host você conhece seu endereço IPv6, masao lado precisa também conhecer seu endereço MAC. Por isso, ter um mapeamento a partir deste endereço IPv6para o endereço MAC que é, trabalho feito por este protocolo de descoberta do vizinho.(Consulte o Tempo do slide: 25:18)Agora esse protocolo de descoberta do vizinho aqui é um exemplo; como você diz 4 dispositivos A B Ce D que possuem seu endereço IP e o endereço MAC aqui, o endereço IP são os endereços IPv6. Agora dizer que A deseja enviar algum pacote para B, agora se ele quiser enviar algum pacotepara B, A sabe o endereço IP de B mas A necessidade de descobrir o endereço MACde B. Então, que ele pode descobrir que como encaminhá-lo o pacote para B. Então, isso é feito com a ajudadeste o protocolo de descoberta do vizinho.(Consulte o tempo do slide do vizinho: 25:54)Então, em caso de vizinho descoberta protocolo o que quer que aconteça isso, o nó que deseja enviar os pacotes envie um dado aqui o nó A no exemplo anterior, ele envia um pacote de solicitação de vizinho.Então, este pacote de solicitação de vizinho, esta é a estrutura de o packet do vizinho solicitação, você tem um campo de endereço de origem e o campo de endereço de destino. Este campo de endereço de destinoé um recurso interessante que irei vir em um par de minutos Então, este ésua parte de endereço IP, endereço IP e esta é a parte de sua mensagem ICMP, ou seja, a mensagem de solicitação do vizinhoem IPv6. Então, a extensão ICMP em IPv6 nós chamamos como,ICMP versão 6.Então, esta é a mensagem ICMP. Por isso, na mensagem ICMP é o tipo 135; isso significa, é uma mensagem de solicitação de vizinho. Então o seu endereço de destino é o endereço IPv6 dado, de modo quesignifica, este campo de endereço de destino ele informa que deseja descobrir o endereço MACcorresponde a este endereço IPv6. E você tem endereço de camada de link de origem, portanto, o endereço MACda fonte que faz parte da mensagem ICMP.Aqui a parte interessante é que, este endereço de destino. Então, este endereço de destino éo endereço do nó solicitação. Então, se você olhar para o ARP em IPv4, em caso de ARPde IPv4, nós realmente amplimos o elenco da consulta ARP IPv4. Então, a consulta ARP de consulta étransposta e os nós que recebem que, se tiverem as informações que respondirãode outra forma, eles transmitiam mais adiante. Mas em caso de IPv6, não amplimos o cast desta consulta, em vez disso enviamos para um nó direcionado. Assim, cada nó tem associado a um nósolicitação, as informações do nó solitcitado já estão disponíveis para o nó de origem. Assim, ele enviará a consulta para apenas este nó requisitado.(Consulte o Slide Time: 27:56)Então, aqui neste exemplo anterior, diga-se o nó C é o nó solicitado do nó A. Então, o nóA enviará a consulta para o nó C e, em seguida, o nó C irá descobrir o caminho para o nó B einformando então para o nó A.(Consulte o tempo de slide: 28:15)OK. Agora essa resposta para a mensagem do vizinho solicitação é a mensagem de propaganda do vizinho. Na mensagem de propaganda do vizinho, você inclui o endereço de destino, o endereço IPv6 de destino e o endereço da camada de link de destino correspondente. Então, esteé o endereço para o nó B e você envia o endereço MAC do nó B o vizinhomensagem de propaganda.Agora, uma característica é que, não é como se o anúncio do vizinho fosse apenas enviar como uma respostapara solicitação de vizinho. Sempre que estiver enviando uma solicitação de vizinho,durante esse tempo você obterá um anúncio. Mas, fora que todo nó periodicamenteenvie essa mensagem de propaganda do vizinho, para que eles possam formar um link meiode conectividade.Agora, aqui por causa disso você pode ver que há 3 bandeiras. Assim, essas bandeiras são a bandeira Rsignifica que o remetente do anúncio é um roteador, o S flags significa que o anúncio éuma resposta a uma solicitação e O significa substituição; isso significa, a origem da solicitaçãodeve atualizar o cache, com esta nova informação.(Consulte o Tempo do slide: 29:20)Ok, agora chegando ao suporte de mobilidade em IPv6, portanto em caso de IPv6 mobile node, ele usa um endereço temporário, quando está afastado do local da home. Então, ele usa esse cabeçalhos opcionais de destino IPv6, para armazenar o endereço residir home address significa, onde eleestava inicialmente conectado. Agora a estação móvel pode listar todo o cabeçalho de roteamento, para os pacotesseguir um determinado caminho para estabelecer uma conexão com uma rede de prestadora de serviços.Então, como você viu que a vantagem do IPv6 é que, você pode adicionar um número adicionalde cabeçalhos opcionais para suportar essa mobilidade. Com este cabeçalho opcional você pode adicionar esteinformações adicionais como sempre que um nó estiver se movendo de um local para outro, como o pacote seria encaminhado para este nó, isso pode ser incorporado aesta informação de cabeçalho de roteamento.Agora, o pacote envia para um nó móvel, ele pode ser ajustado por cabeçalhos de roteamento IPv6 enão exigimos que os agentes estrangeiros como IPv4. Assim, se você olhar para o suporte IPv4 para mobilidade, no suporte de mobilidade IPv4 você tem um agente estrangeiro, ou seja um roteador designadoe aquele roteador designado irá realmente fazer um mapeamento entre o endereço original dea máquina e o quando o nó se deslocou para uma sub-rede diferente o novo endereçocorresponde a este local de mobilidade. Por isso, não precisamos de um agente estrangeiro aqui em IPv6.Temos o protocolo de descoberta do vizinho e o endereço de um mecanismo de configuraçãoque pode ser usado para conectar diretamente um nó a qualquer sub-rede. Assim, o nó irá obter um novo endereço IPendereço IPv6 com a ajuda desta descoberta e interface do vizinho ou endereçoconfiguração automática.Agora o fato interessante é que, você não pode migrar de IPv4 para IPv6 em 1 dia, poisatualmente todas as máquinas são maioria das máquinas na internet é suporte IPv4.E IPv6 tem um enorme novo conjunto de features agora se, você quiser migrar de IPv4 para IPv6como fará isso? Existem, de forma geral, três formas de fazer isso. Um é o suporte da pilha dupla. Em caso de um suporte de pilha dupla, você tem um suporte para ambos IPv4 e IPv6 namesma pilha de protocolo.(Consulte o Tempo do slide: 31:35)Então, se você estiver se comunicando com a máquina IPv4, então você usa a pilha IPv4, estaparte da pilha para se comunicar com a máquina IPv4. Se você estiver se comunicando como host IPv6, eles então usariam esta pilha IPv6 para se comunicar com o host IPv6; assim, isso significa, a máquina única deverá ter tanto a pilha IPv4 como a pilhaIPv6. O segundo mecanismo é tunelamento.(Consulte o Tempo do slide: 32:08)O mecanismo de tunelamento diz que você túnel o cabeçalhos IPv4 através de cabeçalhos IPv6.Isso significa, o mecanismo de tunelamento diz que, você tem um cabeçalho IPv4. Então, sempre quevocê quiser enviá-lo para o host IPv6, você soma um cabeçalho IPv6 juntamente com o cabeçalho IPv4.Agora, se você estiver enviando para IPv4 host estas partes do cabeçalho serão de leitura, se você estiverenviando-o para o cabeçalho IPv6 esta parte do cabeçalho será lida.Então, os detalhes IPv6 são muito mais do que o que eu cobri, acabei de tentar dar avocê uma introdução básica sobre IPv6. Por isso, para saber mais sobre esse IPv6 há alguns ponteirosque você pode seguir, o RFC ’ s. Então, este RFC ’ s são estes RFC 2460, RFC 4291e RFC 3587, este discute sobre um vários aspectos do IPv6 em detalhes. E então euapontei dois links diferentes, um é a documentação IANA; que fala sobre os endereçosIPv6, endereços multicast e outro é o site 6NET. O 6NET é um projetoque trabalhou no design e desenvolvimento de IPv6.Então, você pode visitar o website 6NET para analisar em seus white papers as documentaçõesque estão lá para saber mais sobre diferentes recursos em IPv6. Então, isso é tudo sobre IPv6e eu direi que é uma introdução muito breve sobre IPv6 há muito mais detalhes.Então, por favor, explore os ponteiros que são dados no final deste slide para saber maissobre o formato de endereçamento IPv6.Obrigado por participar desta aula.