Loading
Nota de Estudos
Study Reminders
Support
Text Version

Design Força de Membros Tensão

Set your study reminders

We will email you at these times to remind you to study.
  • Monday

    -

    7am

    +

    Tuesday

    -

    7am

    +

    Wednesday

    -

    7am

    +

    Thursday

    -

    7am

    +

    Friday

    -

    7am

    +

    Saturday

    -

    7am

    +

    Sunday

    -

    7am

    +

Video 1
Olá eu vou discutir sobre as provisões de codal para cálculo de designforça de membros sob tensão axial. Portanto, como eu disse em última classe que o fortalecimento do designserá calculado com base em três critérios; um é o devido à renda bruta da seção, devidoao arrebatamento e devido ao shear block. E o mínimo desses três será a força de designdo membro de tensão.
Então, chegando às provisões codal, obteremos o cálculo de força de design da tensãomembro na cláusula 6 do IS: 800-2007. Por isso, detalhes você pode descobrir a partir da cláusula 6 que o designtensão T deve satisfazer a exigência deste Td. Onde Td é a força de design do membrosob tensão axial e Td será o menor destes três, um é o rendendo da seção bruta(Tdg), então arrebatamento de seção crítica (Tdn) e então block shear fracasso (Tdb).Então, na base destes três, o Td será decidido. Assim, Td será o menor destes trêse que Td tem que ser maior do que a força de fator tensílio que entra no membro. Assim, chegandoà cláusula 6,2, veremos que a força de design devido ao bruto rendendo Tdg pode ser calculada como,
Onde,fy é o estresse de rendimento de material em MPa,Ag é a área bruta da seção transversalm0is o fator de segurança parcial da falha em tensão por rendendo (Tabela 5, IS 800: 2007).
Da mesma forma podemos descobrir força de design devido a arrebatamento de seção crítica. Assim, isso pode serencontrado na cláusula 6,3 e na cláusula 6.3.1, você obterá força de design em tensão de uma placa,
Onde,fu é o maior estresse de material em MPa,An é a área efetiva líquida da seção transversalm1is o fator de segurança parcial da falha na tensão em tensão final (Tabela 5, IS 800: 2007)Então, para placa em palestras anteriores já vimos, como calcular a área líquida da placa significasobre a seção crítica. Assim, essa área líquida será necessária para descobrir a força de ruptura dea seção.
A resistência do design de rodelas encadeadas em tensão, (Tdn) regida por ruptura é dada por
Onde,An é a área raiz líquida na seção encadeada.
similarmente para seção de ângulo único, agora em caso de ângulo único como eu disse que se ele estiver conectadocom alguma placa de gusset, ou algumas outras placas, ou alguns outros membros então o efeito lagvai ser ocorrente. Então, temos que calcular o valor Tdn tomando conta do efeito shear lag.
Aqui, w = excelente largura da perna,bs = largura do lag shear, como mostrado na figura abaixo.
LC = comprimento da conexão de extremidade, ou seja, a distância entre os parafusos mais externos na extremidadejunta medida ao longo da direção de carga ou comprimento da soldadura ao longo da direção de carga.Aqui, o raio é um fator que pode ser calculado a partir desta fórmula que élargura = 1,4 – 0,076 (w/t) (fy /fu) (bs /Lc) e esta deve ser menor ou igual a fum0 /fym1 edeve ser maior ou igual a 0,7
E no início podemos não saber todos os detalhes, portanto, para dimensionamento preliminar podemoscalcular Tdn a partir desta fórmula
Aqui, acesse = 0,6 para um ou dois parafusos, 0,7 para três parafusos e 0,8 para quatro ou mais parafusos ao longo do comprimentona conexão final ou comprimento de soldadura equivalente.An = área útil do total cruzamento cruzado;Anc = área útil da perna conectada;Ago = área bruta da perna pendente; et = espessura da perna.
Para outras seções como ângulos duplos, canais, I-seções e outras seções de aço laminadoconectadas por um ou mais elementos para acabar com o gusset também são regidas por efeito de lag shear. Odesign tensile resistência de tais seções como regido por temendo de seção líquida também pode sercalculado usando equação na cláusula 6.3.3, em que o lucro é o é calculado com base no lag sheardistância bs, e bs é retirado da borda mais furada da perna pendente até a linha de soldadura mais próxima ouna perna conectada da seção transversais. Assim, para cálculo de força de rapadura outrodo que a seção de ângulo único podemos usar esta cláusula que é a cláusula 6.3.3.
Então a força do design devido ao shear block pode ser calculada a partir da cláusula 6,4 do código IS,ela é dada na cláusula 6,4.Conexões BoltadasA força shear block, Tdb de conexão será tomada como a menor de,
ondeAvg e Avn = área bruta e rede mínima em shear ao longo da linha de parafuso paralela à força externa,respectivamente (1-2 & 3-4 como mostrado na Figura acima).Atg e Án = área bruta mínima e rede em tensão do furo do parafuso ao dedo do ângulo,linha de parafuso final, perpendicular à linha de força, respectivamente (2-3 como mostrado na Figura acima),e fu e fy = maior e rendimento tensão do material, respectivamente.
Agora, para conexões de soldadura Tdb pode ser verificado para conexões soldadas, tomando apropriada seçãono membro em torno da solda de extremidade e esta que pode se encolheu como um bloco.
Video 2
Agora outra coisa que temos que verificar que é proporção de slenderness, teoricamente não deveser qualquer limite superior da proporção de slenderness porque está sob tensão se for compressão entãohá uma chance de brotar para que tenhamos que considerar o valor limitante da proporção de slenderness. Mas, neste caso, teoricamente não devemos, mas consideramos certa proporção de slendernessdo ponto de vista de capacidade de manutenção, pois a limitação é necessária para evitar a vibração indesejávele o movimento lateral.Então valores admissíveis de proporção de slenderness é dado na cláusula 3,8, tabela 3 no código IS. Por isso, nósestamos verificando a proporção de slenderness em caso de membro de tensão porque para ter certeza de que a vibraçãonão vai ser mais do estado limite do ponto de vista de atendimento também às vezes o membroobtenha carga reversa devido ao vento e terremoto. Então nessa proporção de slenderness de caso será queserá um grande fator.
Então o valor da proporção de slenderness value slenderness é dado na tabela 3 do IS: 800-2007, se nósvermos quando o membro de tensão tem inversão de tensão direta devido a cargas diferentes do vento esísmico ele é 180.Considerando que quando um membro submetido a forças compressivas resultando apenas de uma combinaçãode ações de vento e terremoto, desde que a deformação de tal membro nãoafete negativamente as tensões em qualquer parte da estrutura. Nesse caso, o valor permitido dede proporção de slenderness é de 250.E, se um membro atua normalmente como um empate em um teto truss ou um membro de suporte que não sejaconsiderado eficaz quando submetido a inversão de estresse resultante da ação do terremoto outerremoto podemos considerar como 350.E, quando os membros estão sempre em tensão diferente dos membros pré-tensionados podemos considerarcomo 400. Então, é assim que o código IS proporcionou certo limite de máxima eficácia deslenderness, portanto, isso tem que ser mantido em mente.Então isso significa quando vamos projetar um membro de tensão não só temos que descobrira força mas também temos que descobrir se ele está sob o limite permitido deslenderness ratio ou não, portanto, tanto as coisas que temos para ver.Então, é assim que se pode calcular a capacidade de design de uma determinada seção, em tensão everificar se isso seção está violando a proporção de slenderness ou não.